top of page

SÉRIES

No processo investigativo da imagem fotográfica, frequentemente surgem questionamentos, curiosidades, insights que me sinto compelido a me aprofundar. Ao fim (nem sempre o fim), surge não uma obra, mas uma infinidade de imagens que constituem as séries. 

Todas as imagens comercializadas têm impressão Fine Art, utilizando pigmentos minerais sobre papéis ou telas de qualidade museológica com PH neutro e alta resistência a calor, amarelamento e umidade, compostos de fibras naturais. As imagens são impressas em papéis Hahnemühle Photo Rag (308g) ou tela Hahnemühle Art Smooth Canvas (370g). Consulte outros suportes de impressão.

FIAT LUX
nov/2021

"FIAT LUX" e uma série que surge na pacífica batalha entre luz e sombras e quando da gênese, ecoa no éter o grito de: "Faça-se Luz!"  preenche-se o vácuo com fótons. Trata-se de uma pesquisa sobre o espectro cromático, muitas vezes decomposto, ondas que atravessam o ar. Desenho com as cores e sombras, através das tramas e padrões, meu papel é o concreto.

FLUXOS
jan/2022

A série "FLUXOS" é uma reflexão sobre a fluidez do tempo, a transitória efemeridade que experimentamos diariamente. A compreensão do que significam os fluidos se modifica, para o médico são sangue, muco, linfa... para o engenheiro é força, pressão, mecânica... para mim, fazem parte da etérea poesia que é pintar com luz e nanquim. 

PICTO-FRAGMENTOS
jan/2022

A série "PICTO-FRAGMENTOS" traz à tona meu início nas artes plásticas, são partes, recortes e pedaços de quadros meus. Surge então a reflexão sobre a escala ser uma nova dimensão a ser explorada e com isso as cores, texturas e múltiplos materiais são revisitados e novos significados emergem nessa amálgama imagética, são tinta acrílica, tecidos e papéis que se mimetizam em pigmentos minerais.

BELAS BUGIGANGAS 
jan - fev/2022

A série "BELAS BUGANGAS" se estabelece na emersão da beleza existente nas pequenas quinquilharias cotidianas, é o o belo que habita o ordinário. Através da magnificação e da iluminação cuidadosamente pensada, o comum se transforma, como na fábula do plebeu que se torna nobre.  A beleza das bugigangas está no olhar do obsevador.